Menu

Alegrias e tristezas do ecossistema de empreendedorismo e inovação no Brasil na pauta da Câmara Brasil-Israel

2018-08-24 - Uncategorized

Câmara Brasil-Israel de Comércio e Indústria,  realizou nesta quarta-feira, 22 de agosto, um Happy Hour e bate papo com José Eduardo Fiates, diretor executivo do Sapiens Parque e superintendente da Fundação CERTI sobre “Alegrias e tristezas do ecossistema de empreendedorismo e inovação no Brasil”.

Engenheiro mecânico, com doutorado e experiência na área de empreendedorismo, inovação e venture capital, Fiates tem atuado em diversos projetos que contribuem para a transformação da cidade de Florianópolis na Capital da Inovação. Atualmente é diretor de inovação da Fundação CERTI e diretor executivo do Sapiens Parque,  complexo que reúne empreendimentos de ciência, tecnologia e inovação em áreas consideradas estratégicas para o estado de Santa Catarina.

Fiati deu detalhes sobre como foi a estruturação da incubadora, dos parques tecnológicos e de todo um conjunto de mecanismos de Venture Capital e suporte ao desenvolvimento empresarial e na parte de aceleradoras em Florianópolis, que hoje já conta com mais de mil empresas operando e faturando algo em torno de 10 bilhões de reais.   Ele também explicou a importância da Fundação CERTI, a qual preside, como um dos atores importantes nesse ecossistema.

Com relação ao ecossistema de empreendedorismo e inovação no Brasil, Fiati destacou as alegrias e tristezas: “Do ponto de vista positivo, posso dizer que é possível inovar no Brasil, temos uma série de empresas e startups que estão se desenvolvendo no país, o que  prova que isso é possível. Por outro lado, temos uma regulamentação muito complicada no país, que dificulta o crescimento dessas empresas, além do nosso sistema de ciência, tecnologia e inovação que é complexo e sofre com a falta de uma coordenação estratégica”.

O bate-papo contou com a presença do israelense  Dror Shaked, Senior VP Business Development da Wix, que deu um conselho aos brasileiros: “O país precisa investir mais em educação e em P& D – Pesquisa e Desenvolvimento. Enquanto Israel investe cerca de 4,25% do GDP em P&D,  no Brasil  esse valor é de 1%. Esse é um processo lento e se o país quer ter sucesso, precisa investir agora, para colher os resultados em cinco, dez anos”.

Comments

comments

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *